quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Nove dúvidas sobre o linfoma não-Hodgkin

O câncer no sistema linfático é uma doença que ataca os gânglios linfáticos e está cada vez mais comum em países desenvolvidos. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), a cada ano aproximadamente 10 mil novos casos de linfomas não-Hodgkin são registrados no Brasil. O caso mais recente e conhecido de diagnóstico da doença é o ator Reynaldo Gianecchini, que receberá tratamento com quimioterapia.

"Esse tipo de linfoma tem dezenas de subtipos, mas muitas pessoas nem sabem que ele existe. Por isso, é sempre bom deixar algumas informações para quem quer saber mais sobre essa doença ainda pouco discutida", diz a hematologista Jane de Almeida Dobbin, chefe do Serviço de Hematologia do Instituto Nacional do Câncer. Esclareça nove dúvidas sobre o linfoma do tipo não-Hodgkin:

Qual é a diferença entre o linfoma de Hodgkin e o linfoma não-Hodgkin?
"A única diferença entre esses dois tipos de linfomas é que o de Hodgkin apresenta células ree-sterlington, enquanto o segundo caso não. Parece pouco, mas essa pequena diferença muda drasticamente o tipo de tratamento a ser usado no paciente", diz a hematologista Jane de Almeida Dobbin chefe do Serviço de Hematologia do Instituto Nacional do Câncer. 
Linfoma não-Hodkin - Getty Images
Quais os lugares do corpo ele pode aparecer?

Os linfomas não-Hodgkin podem aparecer em qualquer área do corpo que tenha linfonodos, como pescoço, axila, virilha e abdômen. "Na maioria das vezes, o paciente percebe que alguma coisa está errada quando uma dessas áreas fica inchada sem motivo", explica Jane Dobbin.

A hematologista diz que é no pescoço que o quadro é mais perigoso. "Em casos mais agressivos, o gânglio pode crescer e causar uma compressão ou obstrução das artérias e veias. No caso do pescoço, isso acaba prejudicando o transporte de nutrientes ao cérebro", conta.

Existem fatores de risco?

Segundo a especialista, 90% dos casos de linfomas são diagnosticados sem saber a causa. "Os casos de linfomas não-Hodgkin em países desenvolvidos estão crescendo cerca de 3% anualmente. Mas não se sabe ao certo por quê", diz a hematologista.

Alguns casos dessa doença são relacionados ao contato com pesticidas, herbicidas e produtos derivados do benzeno, uma substância tóxica que está relacionada a vários outros tipos de câncer. Além disso, ela também pode ser causado por bactérias ou vírus, como o HIV.
 

"Quanto mais agressivo for o tipo de linfoma, maiores são as chances de cura. Nos casos em que as chances chegam perto de zero, a sobrevida dos pacientes pode ser de várias décadas de vida e praticamente não há sintomas"

Quem tem casos na família precisa se preocupar?

De acordo com a hematologista Jane Dobbin, esse tipo de linfoma não é hereditário. É bastante difícil encontrar duas pessoas na mesma família que sofreram com a doença.

Quem sofre mais: homens ou mulheres?

Nos casos de linfoma, o sexo não influencia tanto as chances da doença como as chances de cura. "Como a doença é quase sempre causada por fatores externos, como intoxicação, vírus ou bactérias, tanto homens como mulheres têm as mesmas chances de desenvolver linfomas", esclarece a hematologista.

A alimentação influencia a formação de linfomas Não-Hodgkin?

De acordo com a especialista, não há indícios de alimentos específicos que causem ou previnam diretamente a formação de linfomas Não-Hodgkin. No entanto, assim como em outras formas de câncer, dietas ricas em verduras e frutas podem ter efeito protetor contra o desenvolvimento de linfomas.
Linfoma não-Hodkin - Getty Images
Como é feito e quanto dura o tratamento?

Como há uma variedade grande de tipos de linfomas não- Hodgkin, o tratamento pode variar. Pode ser feita quimioterapia, radioterapia e imunoterapia de maneiras isoladas ou, em alguns casos, de maneira combinada. Nos casos de linfomas indolentes, muitas vezes, é preciso apenas o acompanhamento médico, que dura até o fim da vida do paciente.


Não existe tempo certo para o tratamento, já que isso depende do quadro em que está o paciente e do tipo de linfoma.

Quais são as chances de cura?

Enquanto os linfomas de Hodgkin têm chance de cura de aproximadamente 75%, o grande número de tipos de linfomas Não-Hodgkin faz com que as chances de cura varie muito. "Além disso, as chances de cura variam de acordo com alguns outros fatores, como idade, anemia e quantidade de linfonodos afetados, que são específicos para cada paciente", explica a hematologista.

As chances de cura podem variar de zero, quando o linfoma é indolente, até aproximadamente 90%, quando ele é classificado como agressivo.

"Quanto mais agressivo for o tipo de linfoma, maiores são as chances de cura. Nos casos em que as chances chegam perto de zero, a sobrevida dos pacientes pode ser de várias décadas de vida e praticamente não há sintomas", diz Jane Dobbin.

Existem cuidados que devem ser tomados durante o tratamento?


Como o tratamento com quimioterapia e radioterapia acaba diminuindo a imunidade do corpo dos pacientes, é preciso evitar alguns tipos de alimentos que podem causar intoxicação alimentar. "Carnes cruas devem ser evitadas, já que têm maiores chances de conter bactérias. Atividades que aumentam as chances de cortes ou ferimentos também devem ser evitadas", alerta Jane Dobbin.


Alimentos pesados também podem aumentar um efeito colateral da quimioterapia: as náuseas. "Mesmo que hoje contemos com um arsenal de terapias químicas que amenizam sintomas como náusea e tontura, alimentos pesados, por demorar a serem digeridos, podem deixar os pacientes desconfortáveis", diz a hematologista Jane de Almeida Dobbin chefe do Serviço de Hematologia do Instituto Nacional do Câncer. 

Vida saudável pode evitar 60% dos casos de câncer


Alimentação, atividades físicas e controle do peso reduzem riscos de tumores 

Ao longo dos anos, os avanços na luta de combate contra o câncer mostram que a doença pode ser tratada, controlada e curada. E, mais importante ainda, pode ser prevenida. Cerca de 60% dos casos de câncer podem ser evitados a partir de hábitos de vida saudáveis, de acordo com Instituto Nacional de Câncer (INCA), que lançou recentemente a publicação Políticas e Ações para Prevenção do Câncer no Brasil: Alimentação, Nutrição e Atividade Física. A Organização Pan-americana de Saúde lançou o mesmo sumário para a América Latina, na versão em espanhol.

A publicação mostra que a melhor estratégia para a prevenção do câncer é aliar um alimentação equilibrada, a prática de exercícios físicos regulares e manter o peso controlado. Tais medidas são capazes de prevenir 63% dos casos de câncer de faringe, laringe e boca; 52% dos casos em que a doença atinge o endométrio (camada que recobre o útero internamente) e 60% dos tumores de esôfago.
 

O estudo também concluiu que 41% dos tumores no estômago, 37% dos de cólon e reto (partes do intestino grosso) e 34% dos tumores de câncer no pâncreas não aconteceriam se houvesse a combinação dos três fatores. De todos os tipos de tumores, 19% poderiam ser evitados com uma vida mais saudável. O controle do peso pode ser capaz de evitar 13% desses tipos de câncer. Entretanto, uma pessoa obesa que se alimenta bem tem menos riscos de desenvolver um câncer do que aquela que se alimenta mal.

 Afaste os riscos da doença. Outros hábitos saudáveis podem contribuir para a prevenção do câncer, como não fumar (segundo o Inca, o banimento total do fumo poderia ter combatido mais de 112 mil casos neste ano). Também é fundamental não exagerar nas bebidas alcoólicas, fazer os exames recomendados com assiduidade, fugir da exposição solar e cuidar da higiene bucal (para evitar o câncer de boca).


Os casos de câncer de mama, que tem maior incidência entre mulheres brasileiras, podem ser reduzidos em 28% por meio de uma dieta saudável somada às atividades corporais. No Brasil, sua taxa de mortalidade é de 24%; nos Estados Unidos ela cai para de 15%. Entretanto, mesmo que não possua causas hereditárias, nem sempre é possível preveni-lo, tendo em vista que a idade da primeira menstruação e da menopausa influenciam nas chances de a doença aparecer. De acordo com o Inca, o câncer de mama deve fazer 49 mil novas vítimas ao longo de 2010, com 12 mil mortes.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário.