sexta-feira, 2 de abril de 2010

Metodos anticoncepcionais mais usados


1- Camisinha:
Existem modelos masculino ( método anticoncepcional mais utilizado) e feminino (raramente usado). Além de proteger contra uma gravidez indesejada, a camisinha protege contra doenças sexualmente transmissíveis e contra a AIDS. A grande desvantagem da camisinha masculina é a necessidade de colocação durante o ato sexual, antes de qualquer tipo de penetração. Apesar do material usado na confecção ser de última geração, ela pode romper e algumas pessoas podem apresentar alergia. A camisinha feminina pode ser colocada bem antes da relação sexual e é mais resistente que a masculina; porém, não é muito estética.



2- Dispositivo Intra-Uterino (DIU):
É o método contraceptivo mais utilizado no mundo. O dispositivo é colocado dentro do útero e leva a várias modificações do útero e da tuba uterina que prejudicam a fecundação e a eventual implantação do blastocisto, além de provocar reações que matam os espermatozóides. Existem dois tipos: DIU de cobre, largamente utilizado, disponível no SUS; e DIU com hormônio (progesterona), que libera doses hormonais no organismo. O DIU é colocado pelo médico, de preferência durante o período menstrual, e apresenta durabilidade de alguns anos (2, 5, 10…), depende do tipo. É extremamente eficaz, sendo que o risco de gravidez é bastante pequeno, mas pode dobrar o fluxo menstrual.


3- Contraceptivos Orais (pílulas)
Devem ser iniciadas no primeiro dia da menstruação e continuadas por 21 dias consecutivos, sem falhar. Após o término da cartela, a mulher faz uma pausa de sete dias e reinicia o uso no oitavo dia. É importante tomar a pílula sempre no mesmo horário. Os mais utilizados são os combinados, estrogênio + progesterona. Entretanto existe a mini-pílula, que contem apenas progesterona, e é utilizada principalmente em mulheres que estão amamentando e naquelas que apresentam contra-indicações ao uso de estrogênio, como mulheres com enxaqueca. A mini-pílula deve ser usada de forma contínua, sem pausas.



4- Coito Interrompido
Consiste na retirada do pênis da vagina  no momento da ejaculação,  mantendo o afastado dos genitais externos da mulher. É um método que exige auto muito auto-controle e responsabilidade do homem.

5- Pílula do dia seguinte

É uma anticoncepção de emergência, um uso alternativo de contracepção hormonal oral (tomado antes de 72 horas após o coito) evitando-se a gestação após uma relação sexual desprotegida. Este método só deve ser usado nos casos de emergência, ou seja, nos casos em que os outros métodos anticoncepcionais não tenham sido adotados. Este método só protege a relação sexual que antecedeu ao seu uso, ou seja, não protege nas relações futuras. Este contraceptivo contém o levonorgestrel (um tipo de progesterona) que previne a gravidez inibindo a ovulação, fertilização e implantação do blastocisto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário.