terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Você sabia... que os polvos são mestres do disfarce e têm três corações?


Por instinto de sobrevivência, os animais estão sempre tentando dar um jeitinho de escapar dos predadores e surpreender suas presas. Com o polvo, isso não é diferente. Além de terem oito tentáculos muito ágeis, esses animais são capazes de mudar de cor e até de forma para se esconder no fundo do mar.

O polvo é um molusco marinho que compõe, junto com lulas, sibas e nautilus, o grupo dos cefalópodes. Todos eles são parentes dos mariscos e, também, das lesmas e dos caracóis, esses mesmos que aparecem no quintal. Eles são invertebrados com uma inteligência fora do comum e uma excelente visão, comparável à de alguns vertebrados. Em experimentos de laboratório, os polvos aprenderam a se deslocar por labirintos e até mesmo retirar a tampa de um pote de vidro para pegar um camarão e se alimentar, tudo isso graças à sua inteligência e aos tentáculos que têm grande mobilidade.

Os tentáculos, muito flexíveis, permitem que os polvos manipulem pequenos objetos, como conchas e pedras. Eles também ajudam no deslocamento do animal, na aderência ao fundo marinho, na captura de alimento e na reprodução, pois os machos os utilizam para introduzir ‘pacotes’ de espermatozóides na cavidade do manto (como é chamada a ‘cabeça’ do polvo) das fêmeas.

Para escapar de seus predadores, os polvos são capazes de se camuflar, ou seja, mudar a sua coloração para imitar, por exemplo, a cor do fundo do mar ou a textura de uma pedra e passam despercebidos. Se ainda assim algum animal os ataca, os polvos nadam rapidamente soltando um jato de tinta escura e de gosto ruim, confundindo o agressor, que fica sem enxergar direito.

Haja disposição para correr tanto, não é? Por serem animais extremamente ativos que podem se deslocar com grande velocidade, os polvos – e também as lulas – desenvolveram um sistema circulatório com três corações, diferente de todos os outros animais. Eles têm um coração principal – o coração sistêmico – que recebe o sangue oxigenado das brânquias e o bombeia para todo o corpo do animal; e têm ainda dois corações acessórios – os corações branquiais – que recebem o sangue sem oxigênio e bombeiam para as brânquias, para receberem mais oxigênio. Com mais oxigênio no corpo, podem ser assim: superativos!

Setor de Malacologia,
Departamento de Invertebrados,Museu Nacional/UFRJ.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário.